quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Viagem no Comboio das Diferenças




Este Natal, na "Estação de Comboios de Benavente", a Maria Pereira vai convidar todos os meninos e meninas para uma viagem de sonho no Comboio das Diferenças.

A viagem acaba por ser cancelada, mas a Maria Pereira mostra um filme das suas aventuras pela Lapónia (terra do Pai Natal), Antártida (onde o degelo é impressionante devido às alterações climáticas), Ásia (superpovoada e poluída), África (onde a água é pouca e preciosa) e Floresta da Amazónia (ameaçada pela desflorestação acelerada)...

Depois, todos vão visitar a casa da Maria Pereira e brindar à amizade ao som da canção “O Comboio dos Sonhos”: Pouca terra, pouca terra / Faz o comboio ao passar / Desce o vale, sobe a serra / E não para de apitar.

A atividade termina com um atelier onde todos vão decorar uma bola de Natal para embelezar a árvore lá de casa nesta época festiva.










Atividade de Natal 2017




sexta-feira, 23 de junho de 2017

“Infância – os meninos do princípio do séc. XX”





“Infância, os meninos do princípio do século XX”, pretende encontrar os meninos homens que marcaram a vivência da primeira metade deste século. Encontrámos muitas histórias, por vezes difíceis, revelando-nos a grande dificuldade de as contar do ponto de vista expositivo. Iniciando o percurso na gestação e nascimento, abordamos aspetos que se relacionam com os cuidados de higiene e saúde, recriamos o ambiente de uma sala de escola primária e finalmente exploramos as brincadeiras, jogos e cantigas de roda.






Esta exposição estará patente até 28 de Outubro

“Joaquim Rodrigues Parracho – Um Sonhador do Futuro”






Joaquim Parracho sonhou com um Museu, espaço de conhecimento e de partilha, onde a partir de objetos e recolhas do passado fosse possível a leitura do futuro. Sonhou com uma casa que pertencesse a todos. 
Joaquim Rodrigues “Parracho” nasceu no dia 8 de maio de 1920, em Benavente, e morreu na sequência de um invulgar acidente, em 11 de outubro de 1989. Cumpriu o sonho da sua vida, a criação de um Museu em Benavente, e teve ainda a oportunidade de ver crescer este sonho que fez nascer.

Joaquim Parracho valorizou-se aos olhos de todos por descobrir, guardar, defender e apresentar coisas que o tempo pôs de lado, que a renovação tecnológica tornou obsoletos, mas que, com pó e já com defeitos são ainda uma lição, prestam um serviço cultural. Foi a este trabalho feito com interesse e paciência, que se devotou o nosso Parracho. E se o sentido científico lhe pode ter faltado, sobrou-lhe sempre o gosto, a intuição para agarrar e defender o objecto com valor para o futuro. O Joaquim é também um desenhador naïf, isto é, ingénuo, sincero. Mas acima de tudo, é um etnógrafo intuitivo, um incansável coleccionador da peça que “fala”, que é documento que alguma coisa nos diz.

Em 27 de novembro de 1982, Alfredo Betâmio de Almeida, apresentou desta forma Joaquim Parracho na homenagem que lhe foi dedicada por ocasião da inauguração da “Mostra Agrícola”, no Museu Municipal de Benavente.






A exposição estará patente na sala Joaquim Rodrigues Parracho até 28 de Outubro